Crianças

 

 

Qual a melhor idade para iniciar o tratamento ortodôntico?

A melhor idade para tratar vai variar de acordo com o problema da criança. Se for, por exemplo, uma má-oclusão em decorrência de um mau posicionamento dos maxilares em relação à base do crânio, o tratamento deve se iniciar mais cedo (por volta dos 5 ou 6 anos de idade). Porém, se a má-oclusão decorrer apenas de um problema dentário, o tratamento pode começar mais tardiamente (dependendo do problema depois dos 12 anos de idade). Portanto, é importante ressaltar que problemas considerados leves na infância podem tornar-se sérios mais para frente, se não tratados corretamente na fase adequada.
 
 

Como eu posso notar se há algo de errado com a criança?

Alguns problemas são facilmente notados, como o apinhamento dos dentes, e outros são mais sutis, como a tendência de crescimento classe III ou uma perda dentária precoce. Por isso, o ideal é fazer uma avaliação ortodôntica entre os 5 e 6 anos de idade
 
 

Qual a documentação necessária para ser feita a avaliação pelo ortodontista?

A documentação tradicional é composta por uma radiografia panorâmica, uma telerradiografia em norma lateral e um par de modelos de gesso (se houver necessidade o ortodontista pode requisitar algum exame complementar, como radiografias periapicais ou de ATM). Atualmente, a tendência é a substituição dessa documentação pela tomografia computadorizada por feixe cônico, a qual gera todas as radiografias tradicionais e algumas outras ainda que podem ser de grande utilidade para o ortodontista (ver seção “Tomografia”). Porém, mesmo com essa tecnologia ainda é necessária a confecção do par de modelos de gesso.

 


Quanto tempo dura o tratamento?

A duração tem uma ampla variação de acordo com o tipo de problema. Geralmente quanto maior a complexidade maior o tempo de tratamento. Algumas vezes ainda é necessário um tratamento em 2 fases, uma quando o paciente é bem jovem e a outra quando já estiver com todos os dentes permanentes na boca. A boa notícia é que com o avanço da ortodontia os tratamentos têm ficado mais rápidos e com maior intervalo entre as consultas de manutenção.
 
 
 

Se eu optar por não tratar, poderá ter alguma conseqüência grave no futuro?

Sim. As complicações podem ser tanto estéticas como funcionais. As primeiras podem ir desde um dente mal posicionado (rotacionado, inclinado, extruído) até uma estética facial pobre devido ao relacionamento incorreto dos maxilares. As funcionais envolvem problemas na mastigação, respiração, fonação, deglutição e ainda disfunções e dores nas articulações temporo-mandibulares.